quarta-feira, agosto 31, 2005

Tempo perdido

Hoje alguém que chama a Inês de neta (a madrasta do Artur) disse: "Gosto muito da Inês, mas o meu tempo é muito precioso para ser desperdiçado a estar com ela"

Fiquei confusa.

Nas Leis do Amor pelas quais me oriento, o tempo é demasiado precioso para ser desperdiçado a estar longe de quem se ama.

Respondi: "Adeus"

O meu tempo é demasiado precioso para o desperdiçar a ouvir coisas destas e muito foi perdido até ouvir aquela frase.

"Dá um beijo meu à menina!"

"Não. Se o tempo é precioso, mais ainda são os beijos!"

Enchi a Inês de beijos... meus, só meus e totalmente meus! Por cada beijo com que a enchia, enchia-se o meu coração do Amor infinito que sinto por ela. E o meu dia recuperou todo o seu tempo.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 12:03 da manhã

8 Comments

  1. Blogger Ahraht posted at agosto 31, 2005 11:32 da manhã  
    Alguém assim merece de facto que se beije por ela, pois não será capaz de o fazer sozinha.

    Abelhinha...é assim mesmo. Quem quiser que se chegue à frente. Que apareça, que se esforçe por conquistar...quer o amor, quer um beijo da Inês.

    Um prado para ti.
  2. Blogger Nina posted at agosto 31, 2005 1:08 da tarde  
    Q raivaaaaaaa..só me apetece chamar nomes a essa senhora k se diz "avó"....

    Beijinho grande para a Inês e para ti :)
  3. Blogger Abelhinha posted at agosto 31, 2005 2:34 da tarde  
    Ahraht:

    Alguém assim não merece que se dê beijos por ela... precisa que se beije por ela porque tal como tu dizes não será capaz de o fazer.

    Obrigada pelo prado... de que flores é?

    Nina:

    Não vale a pena teres raiva, nem chamares nomes. Já imaginaste como uma pessoa que não é capaz de lidar com os sentimentos desta maneira deve estar corroída por dentro?

    Beijinhos muito grandes a ambos e cheiiiiiinhos de mel
  4. Blogger Vespinha posted at agosto 31, 2005 4:35 da tarde  
    realmente...
    Bah!

    Beijo da Vespinha
  5. Blogger Agripina Roxo posted at agosto 31, 2005 5:16 da tarde  
    o melhor é mesmo a indiferença, as pessoas vazias não merecem sequer que pensemos nelas nem nas razoes que as fazem tomar certas atutudes, é deixá-las no mundo delas, naquele mundo que elas proprias não sabem construir...
    um beijinho muito grande :)
  6. Blogger Abelhinha posted at agosto 31, 2005 5:24 da tarde  
    Agripina:

    Nem mais!

    Beijo muito, muito grande
  7. Blogger Buddha Breezer posted at agosto 31, 2005 5:47 da tarde  
    Avó não é a que diz que é, avó é a que ama incondicionalmente e que não tem tempo para dizer que não tem tempo para estar com quem tanto ama

    Beijos à Inês
  8. Blogger Dilbert posted at setembro 13, 2005 3:25 da tarde  
    Poxa... essa avó, caramba... deve ser uma pedra de gelo mesmo...
    Miminhos para ti e para a Inês

Enviar um comentário

« Home