quinta-feira, março 29, 2007

Hoje estou asim...

A vida tem razões que a própria razão desconhece.

...

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 9:59 da tarde 1 comments

domingo, março 25, 2007

Um post feito pela Inês

urutyo8ukj7kf959loihik9io68pk
kljmn,uyopkj
vjlh,lbudfçuçi+º
tyiolphlhlklmçll+
mihklhyoui9iokrttnlkgwrj8ugjyi699i87i80it078i98k0srsu907rt790uy
iiuhuh8r88u569
kituiyp0ihop78poiyhl60uo8'p0'0p'u0opifoti5ou76
kfhodkd0tiroit9yp7l'78jpop+7io0tlt'o0uip9
i9t8586987909f7l0ikpt9608'i98'o0
kjhiyjiopu
jjijkijdrkot
,cjdcoui8

(A Inês pediu-me para escrever no meu blog. Claro que disse que sim. O resultado foi este)

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 8:24 da tarde 2 comments

terça-feira, março 20, 2007

Cabeça no ar

Além dos caracois, tenho a cabeça no ar.

Ontem à saída do cinema andei não sei ao certo quanto tempo à procura do carro no parque de estacionamento.

- Por onde entrou? - Perguntou-me o segurança

- Pela entrada que vem da A5.

- Então está no andar de baixo.

No andar de baixo a mesma coisa.

- Entrou por onde? - Perguntou-me outro segurança

- Pela entrada que vem da A5.

- Então está no sítio certo.

- Disseram-me isso lá em cima, mas sinceramente não encontro o carro.

- Que caminho fez depois de entrar.

- Boa questão essa que me coloca. Sabe aquela história de as mulheres não terem nenhum sentido de orientação? Pois comigo é isso mesmo. Pior, identifico-me com algumas anedotas de loiras.

O segurança não conseguiu evitar rir.

- Está-se a rir? Eu só tenho 2 neurónios, o Tico e o Teco.

Riu-se novamente.

- Vamos lá encontrar o carro.

Como já é comum, sempre que procuro no carro vou carregando no botão da chave que tranca o carro para ver os piscas a picar.

- Ah está ali. Muito obrigada pela ajuda.

- Já viu o que são as mulheres sem os homens?

Sorri e agradeci.

- Até à proxima. - Despediu-se o segurança.

Para a próxima aviso a pessoa com quem estava a falar ao telefone onde deixei o carro. Sempre posso ligar depois e perguntar.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 6:14 da tarde 3 comments

O bebé Chocolatinho

- Mamã agora és minha irmã.

- Está bem mana.

- E temos um irmão novo. Mas a pele dele é diferente da nossa. - diz-me ela fazendo festas no seu braço. - Ele é mais para o castanho. Pergunta-me porque é que ele é mais para o castanho.

- Porquê é que ele é mais para o castanho?

- Porque quando era pequenino comeu muito chocolate. Agora é o nosso irmão Chocolatinho.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 6:05 da tarde 0 comments

quinta-feira, março 15, 2007

Bloqueio

4ª feira, 22h, algures numa sala do cinema King, por azar na coxia.

Sentamo-nos e esperamos que o filme começasse.

Desligar os telemóveis.

- Olha lá! Para quê que servem tomadas numa sala de cinema?

- Sei lá! Nunca pensei nisso. - Respondi eu.

- É para aspirar!

Nada como um bloqueio mental sobre uma preocupação, que vá-se lá saber porque é que se tem.

Como consequência, sim porque também há consequências que não se explicam, no meio do trailler do filme "O grande silêncio", um documentário sobre a vida dos monges da Ordem da Cartuxa, deu-me um ataque de riso daqueles que já não me lembrava de ter.

Não vou fazer nenhum comentário sobre o filme que fui ver, porque ainda não sei bem se gostei. Sei que era um drama e que saí de lá ainda a rir.

Sabem aquelas frases de um filme que se tornam inesquecíveis? A deste foi sem dúvida:

- Não façam mal ao Principe Jai.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 7:07 da tarde 2 comments

quarta-feira, março 14, 2007

Infância

- Mamã, hoje dormi sem chucha!

A infância é mesmo um mundo fantástico.

Um momento reclamamos a identidade roubada, no momento a seguir metemos a chucha na boca e vamos dormir a sonhar com as férias na Dominicana.

E por falar em férias? quando as terei este ano? Para onde irei?

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 6:46 da tarde 2 comments

terça-feira, março 13, 2007

Ao telefone com a Inês

- Mamã! Estou zangada com a avó.

- Porquê amor?

- Porque ela me roubou.

- Roubou-te o quê?

- A mim. O meu nome, a minha idade, a minha identidade.

- A tua quê?

- Identidade. Puxa mamã! Não sabes o que é identidade? É o meu nome e a minha idade.

- Ah. E agora o que vais fazer?

- Tenho uma ideia. Vens para casa a horas. Fazemos a mala à avó e mandamo-la embora desta casa. Olha vai para ao pé do Biso. Ela gosta do Biso fica feliz. Nós as duas ficamos nesta casa. Tu de manhã levas-me à escola e o meu pai vai-me buscar. Aos sábados vamos ao Mcdonalds.

(Tudo tão simples...)

Triiimmm Triiimmmm

- Mamã. Já não quero mandar a avó embora. Ela está a ajudar-me a fazer as malas para irmos para a Dominicana. Gosto muito de ti.

- Eu também. Um beijo muito grande.

- Um maior para ti.

- Olha que esse é muito grande. Um xi-coração.

- Isso só dou quando chegares a casa. Vem depressa.

Ordens são ordens... por hoje chega... vou receber o meu xi-coração de direito

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 7:02 da tarde 1 comments

Pragmatismo

Sinto-me a explodir.

O pragmatismo chega primeiro que as emoções e ocupa o lugar quase todo.

Depois... é o riso, como um estado de choque.

Cá dentro a dor que não consigo manifestar.

Foi dia 10, como a tua irmã, aquela mais querida que todas as outras. Aquela que há dois anos esperou que chegasses para te dizer adeus.

Há quem diga que foi ela que te veio buscar e que te deu a mão.

Quanto a mim... resta-me esperar que as lágrimas retomem o seu posto para enfirm eu chorar por ti.

Adeus minha querida. Amo-te muito.

Descansa que bem mereces.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 6:50 da tarde 1 comments

quarta-feira, março 07, 2007

Lágrimas... onde estais vós?

- Pode entrar. - disse-me a recepcionista da clínica.

Entrei.

- Há muito que não a via por cá! Esses óculos a servir de bandelete têm muito que se lhe diga.

- É que no fosco do que vejo, não vejo muitas das coisas feias que há no mundo, e quando quero ver as coisas bonitas, ponho os óculos! Mas não é por isso qe venho cá... Sabe Dr António? Eu não consigo chorar.

- Não consegue chorar? Vamos lá ver isso.

Olhou, olhou, olhou...

- Temos as vias e as glândulas lacrimais completamente desidratadas. Por isso é que tem os olhos tão fundos.

- Cairam no buraco, não foi Dr? - perguntei eu sorrindo.

Ele sorriu também.

- Nada que não se resolva.

E de facto é isso mesmo... nada que não se resolva com soro fisiológico, amor, carinho, miminho e um bocadinho de conforto.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 9:32 da tarde 2 comments

Bilhetes Recarregáveis

Costumo dizer que a forma como faço a gestão dos meus relacionamentos, sejam eles de que natureza forem, se assemelha à gestão de bilhetes de autocarro recarregáveis. Por cada gesto que me deixa descontente, "pico" uma viagem. Por cada gesto que me deixa agradada faço um carregamento. Chega um dia, ou não, em que o bilhete se esgotou e quando esgota não há mais possibilidade de carregar com novo saldo. É neste momento que me afasto, uma espécie de Adeus.

A vida é isso mesmo... um conjunto de bilhetes recarregáveis, que se vão picando e desgastando, ou que milagrosamente se semeiam e multiplicam e se fossilizam para toda a eternidade.

Hoje piquei alguns bilhetes e recarreguei outros... mas o que deixa mesmo feliz é ter 2 fósseis na minha vida.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 7:55 da tarde 0 comments