segunda-feira, janeiro 30, 2006

Os reencontros na volta ao trabalho

Hoje regressei ao trabalho e foi dia de reencontros. Fui bem recebida por toda a gente, com beijos, abraços e piropos à mistura. Soube-me bem.

Confesso que estava muito ansiosa, tal como me senti em criança no primeiro dia de escola na mudança do 1º para o 2º ciclo. Mas tinha tantas saudades de toda a gente que me senti muito feliz ao rever todos eles.

Reencontros, mas não com toda a gente... a minha colega ACC que fez anos hoje tirou o dia de folga. Liguei para lhe dar os parabéns e passei um vergonhão. Assim que ouvi a voz feminina do outro lado comecei a cantar:


"Parabéns a você
Nesta data querida
Muitas felicidades
Muitos anos de vida
Hey!"

Do outro lado a rapariga ria. Depois de respirar fundo pergunta-me quem fala. Perguntei se seria a ACC.

- Não deve ser engano!

- Desculpe não queria incomodar... - disse eu timidamente.

- Não faz mal - disse-me a rapariga a rir

Não consegui falar com a ACC, mas deixo-lhe aqui um beijo enorme de parabéns.

Como fiquei doente antes do Natal, tinha alguns chocolates de oferta de Natal que ainda não tinha entregue. Assim que cheguei fui entregá-los.

Entrei na sala do Colega com Sorriso de Anjo. Assim que me viu ficou algo impaciente. O chefe dele quando recebe o seu diz apontando para ele:

- Trazes chocolates e há gente que fica logo com as orelhas em pé.

Fui ter com ele e tivemos uma conversa curta.

Uns momentos depois, reencontramo-nos casualmente na cozinha.

- O teu cabelo está diferente. Ficas bem de cor-de-rosa.

A conversa seguiu até ao silêncio se ter instalado. Olhamos um para o outro. Ele quebra o silêncio.

- É bom ter-te de volta.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 11:49 da tarde 5 comments

domingo, janeiro 29, 2006

A neve

Toca o telefone.

- Estou sim? Boa tarde.

- Olá. É o Biso. Está a nevar aqui ao pé de casa.

Agradeci o aviso e desliguei apressadamente.

- Anda Inês, vamos ver se ainda apanhamos a neve ao pé da casa do Biso!

Saimos e fizemo-nos à estrada, achei que apesar de não viver longe do Biso, por estar muito perto do mar, que aqui não iria nevar. A meio do caminho a minha mãe liga e avisa que tudo derreteu. A Inês queixa-se que está com fome. Decido que já que saimos de casa com apenas 1 grau, ao menos que fossemos lanchar.

Quase a chegar ao Califa (a pastelaria onde iamos lanchar) caiem timidamente alguns flocos misturados com a chuva.

- Filhotinha, se esperarmos um pouco ainda vai nevar outra vez.

Sentamo-nos numa mesa ao lado da enorme janela, esperando que a Mãe Natureza satisfizesse o nosso desejo de ver neve.

Enquanto nos deliciavamos com o pão quente, com o leite com chocolate e com o chá de cidreira começa a nevar. A Inês ficou muda enquanto assistia à neve a voar ao vento.

Foi a primeira vez que ambas vimos neve. Sempre que fomos à Serra da Estrela nunca neva, nem nos dias que estive na Noruega em pleno Dezembro, com temperaturas a rondar os 20 graus negativos nevou.

Tinhamos acabado de voltar a casa quando toca o telefone.

Num bairro a 1 km de minha casa está a nevar. Vamos até lá. Aqui a neve era mais abundante e já dá para meter a mão na neve que caí no chão. Quando a Inês está ensopada voltamos para o calor da lareira que ficou acesa.

Na minha rua, nem um floco caiu! Mas isso não poderia ser impedimento de satisfazer o desejo tantas vezes manifestado da outra metade de mim mesma de ver a neve e de nela se molhar! Quanto a mim, mais importante do que a neve que caiu, foi a alegria de ver a Inês deliciar-se neste momento de extrema alegria.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 5:47 da tarde 5 comments

quinta-feira, janeiro 26, 2006

Estou oficialmente curada

Hoje foi dia de consulta no hospital.

- Tem andado bem disposta? Isto é uma pergunta retórica, claro!

Rimos. Está instituído que sempre que nos vimos antes dos assuntos sérios vêm o riso e a descontracção.

Falamos de cuidados a ter no futuro e o que pode seguir de uma forma normal.

- Pode começar as suas actividades ao ar livres, pode ter toda a actividade física que desejar. Os cuidados rigorosos com a alimentação não devem ser levantados em menos de um mês, mas tem que ter consciência que se já teve pedras uma vez, pode voltar a ter e desta vez é nas vias biliares, que você também já viu como é.

Bem, não posso dizer que não estou informada.

- Por mim está livre e espero não voltar a vê-la aqui no hospital.

- Até qualquer dia, em circunstâncias mais felizes - despedi-me eu ao sair da sala para voltar ao encontro da minha ex-colega-de-quarto-de-hospital a Tina e o giraço do seu filho.

Fiz-lhe companhia enquanto ela esperava pela consulta dela e esperei que ela saísse para me despedir dela.

A Tina é do Algarve e ainda ia regressar hoje ao sul.

- Lili (é assim que ela me chama) tens que ir passar um fim de semana lá a baixo com a mãe e a filhota. Ainda antes de Março que é quando começa a ficar cheio aos fins-de-semana.

- E depois no Verão vais lá passar as férias não é? - pergunta-me o seu filho, o JC.

- Eu pessoalmente não gosto do Algarve no Verão - Confessei

- Nem nós que somos algarvios. Mas vai em Setembro que a água ainda está boa e já está tudo mais calmo. A Inês até poderia brincar com os meus sobrinhos que têm a idade dela - Tenta convencer-me o JC.

- Logo se vê! Mas posso ir pelo menos um fim-de-semana mais não seja para vos visitar.

- A minha mãe fala tanto de ti que quase que ja és da família.

O mesmo se passa cá em casa. É curioso como há afectos que surgem do nada e que são fortes. Dividi o quarto do hospital com a Tina 3 dias e nunca mais perdemos o contacto.

Boa Viagem Tina e continuação de melhoras! Nunca a vou esquecer

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 4:08 da tarde 8 comments

quarta-feira, janeiro 25, 2006

O ET também gosta de gelatina

-Mamã o ET foi para o planeta dele!

-Mamã sabes? No planeta do ET também há gelatina!

- Ai sim? Não sabia

- Há! O pai e a mãe do ET têm uma despensa onde guardam a gelatina e uma geleira para a gelatina ficar fria! O ET gosta muito de gelatina de morango - diz a Inês enquanto vai comendo uma tijela da dita gelatina.

Se encontrarem o ET no quintal não percam tempo a deixar-lhe Smarties e M&M's, deixem uma tigela enorme de gelatina de morango. A Inês diz que resulta!

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 4:22 da tarde 5 comments

sexta-feira, janeiro 20, 2006

Quero ver o filme, mamã!

- Mamã, quero ver o filme do monstro bom cor-de-rosa, aquele dos olhos grandes.

- Qual filhota?

- Aquele mamã que o pescoço sobe e desce. Vimos na "tevisão"...

- Meu amor, não sei qual é.

- Mamã, aquele que o mostro bom cura o dói-dói do menino com magia.

- Ah o ET?

- Sim, o ET!

Se eu no auge dos meus 7 anos - quando vi o ET pela primeira vez - imaginei que 24 anos depois a minha filha me estaria a pedir para ver esse mesmo filme.

Como um filme de 24 anos de idade continua a despertar o encanto dos miúdos, e dos graúdos também, porque não resisti a revê-lo naquele dia em que passou no AXN. A Inês viu apenas uma vez o filme e pediu para o ver novamente.

Achei curioso que na minha memória o ET fosse uma criatura cujo dedo e coração acendiam e curavam maleitas e que, na da Inês, o ET fosse um monstro bom de olhos grandes que o pescoço sobe e desce. Mas ambas não o esquecemos.

A Magia ao serviço das Crianças, uma oferta personalizada ao que cada uma vê e sente!

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 2:01 da tarde 14 comments

sexta-feira, janeiro 13, 2006

Ir para o Hospital estará a virar moda?

Eu diria que não, mas parece que para os lados do meu escritório a sorte não abunda.

Depois de eu ter passado 12 dias hospitalizada, um dos meus colegas mais recente, esteve também 2 dias no hospital, também com problemas de vesícula.

Ontem, foi a vez do Mocho Falante ter passado a noite no hospital com um problema de estômago.

É caso para perguntar:

Meus amigos o que é que a malta anda a comer? Querem mesmo continuar a almoçar no Xô Pal?

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 9:39 da tarde 14 comments

Hoje fui ao escritório

Hoje fui ao escritório, visitar os meus queridos colegas e amigos.

O Sorriso de Anjo estava lá claro.

Assim que fui reencontrado os colegas eles foram recebendo-me com beijos e abraços, mimos e piropos.

Fui cumprimentar os meus colegas da sala do Sorriso de Anjo. E estavlea ao telefone. Cumprimentei todos os outros. Quando me viu ficou imóvel, calado, como uma estátua. Quebrei o gelo e dirigi-me a ele

- Olá

Ele retribuiu o olá e estendeu-me a mão. Apertou. Dei-lhe os dois beijos da praxe e ele não largou a mão.

- Como estás? O que tens comido? - Perguntou-me ele. Numa das nossas conversas ao telefone ele disse que ia tomar conta de mim e do que como, e que para tal queria um relatório diário das minhas refeições.

Fiz o relatório.

- Muito bem. Estou a gostar de ouvir!

Depois diz alto para toda a gente:

- A Abelhinha vem cá ver-nos todos dos dias até regressar da baixa.

Segui na minha tour por todas as salas. No meio da viagem parei na cozinha para beber água. Abri a porta e o Sorriso de Anjo olhava para a porta.

- Vi-te chegar pelo vidro. Senta-te.

Obdeci.

Conversa atrás de conversa e mais algumas trocas de mimos

- Fazes falta aqui

- Já tinha saudades disto

- Pois tinhas saudades minhas...

- Também mas não só! - disse sorrindo

Quando fiz a ronda de despedida e chegou a vez dele, ele olhou para mim e ficou imóvel, calado, como uma estátua.

- Vim despedir-me

Ele começa a mexer em papeis que tinha em cima da secretária

- Vim despedir-me de ti

Ele continua a fazer o que estava a fazer como se eu não existisse.

- Vim despedir-me de ti. Não me dizes adeus?

- Digo. (pausa) Olha... gostei de te ver. Dá-me um beijinho.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 8:57 da tarde 5 comments

quinta-feira, janeiro 12, 2006

"Atão e o colega cara-de-anjo?"

"Atão e o colega cara-de-anjo?" Pergunta a Eva Shanti

E então o colega com Sorriso de Anjo?

O colega com Sorriso de Anjo ainda não me ofereceu chocolates, nem laranjas ou clementinas, e ainda bem, porque não poderia comer nenhum destes manjares. Mas já falamos algumas vezes ao telefone

A 1ª vez que ele me tentou ligar eu estava ao telefone e não consegui antender. Como ligou do telefone do escritório não consegui saber que era ele que estava ao telefone e não retribuí a chamada.

Quando lhe telefonei, alguns dias depois, a conversa foi agradável. Assim que identificou a minha voz desatou a falar incessantemente e ineterruptamente:

- És mesmo tu? Estava preocupado. Nunca mais me disseste nada. Liguei para ti não me atendeste, e ainda por cima os teus amiguinhos passaram os dias todos a 'picarem-me' que tinham falado contigo e mais não sei o quê! Sempre a darem notícias tuas e mais não sei o quê! Falaste com toda a gente menos comigo. Já não te importas comigo. Esta empresa sem ti não é a mesma coisa, falta-lhe cor.

- Ai sim? Tens saudades minhas?

- Tenho. 1000 saudades tuas.

O resto de conversa, como as que se seguiram, foram uma troca de mimos mútua, como já é comum na nossa convivência.

Não é isto melhor do que qualquer chocolate, laranja ou clementina?

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 8:48 da tarde 7 comments

quarta-feira, janeiro 11, 2006

Conversa de Meninas

A Inês ontem quando fui ao hospital chorou porque queria ser ela a tratar de mim.

Como corria o risco de ficar hospitalizada, a minha mãe achou que me devia acompanhar e para tal a Inês teve que ir também. Ao longo do caminho ia dizendo vezes sem conta que era desnecessário eu ir ao hospital porque ela tratava de mim.

Consegui convencê-la da necessidade de ir ver o médico com o argumento que ela em casa não tem como saber se me deve dar uma pica ou um comprimido e que era só isso que o médico ia dizer.

- Está bem, mamã! - diz ela conformada - Mas só mesmo isso.

Enquanto esperavamos, apareceu uma menina. A Inês foi logo brincar com ela. Ao fim de poucos minutos ouço a conversa entre elas

- Eu tenho 3 anos e tu? - diz a Inês
- Tenho 9 - responde a menina
- Eu papo tudo e bebo leitinho com "cholate" para ficar grande e forte depressa
- Não tenhas pressa de crescer. As pessoas têm pressa de crescer, mas depois de serem grandes ficam com pena porque já não podem fazer coisas que gostavam porque estão grandes, como por exemplo: vestir algumas roupas, porque depois não servem!

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 5:08 da tarde 8 comments

A coisa está a compor-se

Quando estive hospitalizada tentei manter sempre a minha boa disposição. E consegui.

Sempre que o médico me ia ver e perguntava como eu estava, respondia sempre: "com saudades suas". Demorou 2 ou 3 visitas até ele deixar de ficar desconcertado. Quando finalmente desbloqueou, quando me ia ver a primeira coisa que fazia era tocar-me na ponta do nariz e dizer "Ding Dong!" seguindo do "como se sente" do costume, por sua vez seguido do "com saudades suas".

No dia em que me deu alta, ele teve que ir operar de urgência e deixou a minha alta para depois. Deu um recado à enfermeira para mim avisando-me do sucedido. Quando veio ter comigo disse: "Já pensava que me tinha esquecido de si, não?". Respondi, soltando uma risota: "Claro que não! Sou inesquecível!" Rimos ambos.

Ontem achei que estava a ficar um pouco amarela novamente. Liguei para o hospital para falar com o médico. Ele mandou-me ir lá ter.

Ao ver-me pergunta-me novamente como me sinto e eu respondo novamente que "com saudades suas!". A equipa que conhece toda a minha história e que estava presente riu.

- Vai fazer análises para vermos como isso está! Mas digo-lhe... se tiver outro cálculo residual sentamo-nos os dois a escrever uma carta a Jesus Cristo a perguntar porque é que você tem tanto azar!

Ficamos na conversa, eu, ele e a interna que segui sempre o meu caso. Depois aguardei na sala de espera pelos resultados - normalmente 2 horas.

Ao final de 4 ouço aquela voz familiar a chamar-me.

- Não me esqueci de si... claro que você sabe... é inesquecível!

Ri-me

- Demorei porque quis ir ver os resultados dos exames que fez dia 2. Ainda não estão prontos, mas estive a ver com os meus colegas no computador como está tudo. Não há cálculos residuais e as análises estão bem. Na 2ª feira venha buscar os resultados e na 3ª vá ao 4º piso para marcamos a consulta de acompanhamento. Boa noite e vá para casa com cuidado! Beijinhos!

- Beijinhos e muito obrigada!

- E tenha calma... agora é uma questão de usar a esperoterapia associada à paciencioterapia! disse ele enquanto me acenava adeus.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 4:30 da tarde 4 comments

domingo, janeiro 08, 2006

Só visto!

Hoje saí um pouco de casa com o meu irmão e com a minha cunhada e mais 2 amigos.

No regresso a casa, em plena via rápida da Costa da Caparica vimos um carro um pouco inclinado e a deitar muito fumo.

Olhamos com atenção e reparamos que o carro estava sem o pneus traseiro do lado esquerdo. Ultrapassamos o carro para o alertarmos do que se estava a passar. Para nosso espanto, o carro também não tinha pneu à frente. Fizemos sinais e o condutor sem reagir.

O meu irmão começa a pensar nos perigos que a situação pode causar.

Seguimos o carro e vimos que o carro entrou na A2 em direcção a Lisboa.

O meu irmão achou que melhor, melhor era alertarmos a brigada da GNR da Ponte 25 de Abril para que impedissem o carro de circular na ponte.

Quem nos atendeu o telefone estava tão incrédulo como nós!

- Mas vai sobre a jante?

- Sim vai. Vai mesmo sem pneu!

Eu e os restantes ocupantes do carro, dava-mos o máximo para não rir enquanto o meu irmão falava ao telefone. Já bastava a história ser tão incrível para o Agente ainda ouvir alguém a rir. Assim que ele desligou o telefone foi gargalhada geral.

Se me contassem eu não acreditava. Só mesmo visto.

É que ainda por cima o velhote que conduzia o carro, estava com ar de quem nem tinha notado o que se estava a passar. Como é possível????

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 10:10 da tarde 6 comments

sexta-feira, janeiro 06, 2006

Até quando estarei assim?

Quando se está de baixa, num estado como o meu, é como estar em prisão domiciliária.

Não estou miminamente capaz de regressar ao trabalho, nem sequer tenho energia suficiente para levar a Inês ao parque e empurrar-lhe o baloiço, ou fazer-lhe companhia a pé enquanto ela anda de bicicleta.

Tudo o que seja andar mais do que 500 m é demais para mim.

Isso faz-me sentir talhada!

Adoro andar, passear ao ar livre!

Previsões para regressar ao trabalho só para Fevereiro.

A Inês é um tesouro amoroso que anima os meus dias, mesmo que me sinta triste por não a conseguir acompanhar naquilo que ela mais gosta de fazer.

Não me larga a minha Inês. Vai dizendo que eu tenho dói-dói na barriga e que preciso de beijinhos para ficar boa. Enche-me de beijos, usa a sua varinha mágica de fada para me curar de todos os males... eu esforço-me por me sentir melhor sempre que ela se esforça para me ver boa, mas nem sempre consigo.

É estranho estar doente, sem me sentir assim tão doente.

Os meus dois neurónios o Tico e o Teco pedem-me actividade, mas o corpo não responde.

O médico diz-me que tenho que repousar muito, que até parece que nem tenho bem a noção da gravidade do que tive. Provavelmente não tenho.

Estou cansada de estar neste estado.

Espero que passe depressa. Mas como diz o médico: depressa e bem não há quem, e com pancreatites não se brinca!

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 7:01 da tarde 11 comments

domingo, janeiro 01, 2006

Será que é desta?

Lá consegui passar a passagem de ano no conforto do meu lar e junto à minha Inês.

Amanhã, vou fazer mais uns quantos exames para ver se está tudo bem e se poderei considerar-me curada.

Sei que prometi as crónicas do irreal que me aconteceu aquando da 1a hospitalização. Da 2ª, as coisas foram mais normais mas, mesmo assim, cheias de coisas que nem consigo descrever. Prometi, mas não vou cumprir para já. As minhas desculpas.

Foram 2 hospitalizações no total de 12 dias, 10 dos quais sem comer, 2 dos quais Natal... foram dias que me encheram a paciência e que não quero recordar por enquanto. Quando eu sentir que a tempestade acalmou e que já não corro risco de ser hospitalizada outra vez, talvez fale do assunto.

Não posso deixar de dizer que fui excepcionalmente tratada no hospital por toda a equipa de médicos, enfermeiros e auxiliares.

Conheci algumas pessoas de quem me vou lembrar para sempre, nomeadamente a Tina, cuja passagem pela cama do lado animou em muito a minha estadia.

A todos os que me telefonaram, me encheram o telemóvel com sms, a caixa de e-mail, que me deixaram mensagens aqui na colmeia e aos que me visitaram, o meu mais sincero agradecimento pelo apoio. Adoro-vos a todos!

Aos amigos da blogosfera, peço desculpa por não visitar todos os vossos cantinhos, mas ainda não capacidade de passar muito tempo em frente ao computador!

Um feliz 2006 para todos!

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 4:23 da tarde 15 comments