quarta-feira, agosto 31, 2005

Será que é desta?

O Gafa veio cá a casa.

A Inês foi brincar à casa do avô e quando a vieram trazer a casa ela disse muito prontamente: "Anda ver o meu quarto!". Ele como qualquer criança disse logo que sim e não aceitou que lhe dissessem que não era possível.

Subiram as escadas, os dois, tio e sobrinha de mão dadas. Os dois (quase) do mesmo tamanho.

Sorri comovida por aquela imagem que nunca esperei ver e que me encheu o coração.

"Gostas do quarto da Inês?"

"Gosto. A cama é muito gira!"

Ele não queria ir embora e a Inês não queria que ele fosse.

"Gafa, olha vamos combinar uma coisa: agora vais com o papá e no Sábado vamos passear todos pode ser?". O meu pai sorriu e confirmou.

"Vamos onde?" pergunta ele.

"Ver a zebra e o elefante mamã?" pergunta a Inês.

"Sim, vamos ver bichos, muitos bichos!"

"Adeus Gafa!"

"Adeus Inês!"

Sábado vou tentar ir com eles ao Jardim Zoológico, no que me toca a mim vou conhecer os Okapi - cabeça de girafa, corpo de veado e riscas de zebra.

Espero que a minha madrasta deixe. Será que é desta que ela me vai deixar aproximar do meu irmão?

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 11:52 da tarde 6 comments

Tempo perdido

Hoje alguém que chama a Inês de neta (a madrasta do Artur) disse: "Gosto muito da Inês, mas o meu tempo é muito precioso para ser desperdiçado a estar com ela"

Fiquei confusa.

Nas Leis do Amor pelas quais me oriento, o tempo é demasiado precioso para ser desperdiçado a estar longe de quem se ama.

Respondi: "Adeus"

O meu tempo é demasiado precioso para o desperdiçar a ouvir coisas destas e muito foi perdido até ouvir aquela frase.

"Dá um beijo meu à menina!"

"Não. Se o tempo é precioso, mais ainda são os beijos!"

Enchi a Inês de beijos... meus, só meus e totalmente meus! Por cada beijo com que a enchia, enchia-se o meu coração do Amor infinito que sinto por ela. E o meu dia recuperou todo o seu tempo.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 12:03 da manhã 8 comments

terça-feira, agosto 30, 2005

Mais palavras para quê?

Em Junho eu e os meus companheiros de infortúnio fomos fazer uma caminhada na Serra da Estrela. O que vimos foi isto:


antes

Este fim de semana encontramos isto:


serra queimada


A foto "Antes" gentilmente cedida pelo meu querido R. Mais conhecido por Rabbit

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 12:05 da manhã 3 comments

segunda-feira, agosto 29, 2005

Imagens do Fim de Semana

dormir
O nosso acampamento

nó
Depois de acordar foi encordar

chaminé1
A Abelhinha antes da coisa na chaminé começar a correr mal

inicio do desespero
O início do desespero

escalada continua
Já ao sol a escalada continua.


Por tudo isto valeu a pena.
Para uma reportagem mais rançosa clique aqui


As fotos onde entra a Abelhinha foram gentilmente cedidas pelo Carlos

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 11:42 da tarde 0 comments

domingo, agosto 28, 2005

A minha aventura de fim de semana

(O post está enorme, mas há mesmo muito para contar!)

Eu e o Carlos saimos de Sintra por volta das 18h15 a caminho de Alverca onde nos encontramos com o João. Paramos em Castelo Branco para jantar e chegamos à Serra da Estrela, ao local onde iamos dormir por volta das 00:15. Estava a começar a nossa aventura.

O céu estava limpo. Por cima de nós a luz da lua decrescente mostrava-nos o caminho para os nossos "aposentos". "Menina, os seus aposentos são aqui à direita" Disse-me o Carlos enquanto me levava ao local onde ia dormir.

Desenrolei a colchonete, ainda incrédula que ia dormir ao relento, com vento a rondar os 15km/h. "Vou gelar" pensei eu sem me queixar. O meu corta-vento tinha ficado esquecido em Sintra. O João amavelemente emprestou-me o seu e salvou-me a noite. Estendi o saco-cama, vesti o fato de treino que levava para dormir, calcei as meias mais grossas e deitei-me.

Respirei fundo enquanto pensava onde me tinha metido e abri os olhos. "LINDO! Vou dormir ao relento com este céu lindo como tecto. Que mais poderia alguém desejar?"

A noite estava simplesmente maravilhosa. O vento apesar de frio, era mínimo perante o espetáculo relaxante que as estrelas faziam para mim enquanto me embalavam. Adormeci ao colo de cada uma delas.

Cada vez que me mexia acordava ligeiramente para me voltar a tapar e aproveitava para deitar o olho as diferentes tonalidades da noite ditadas pelo passar do tempo.

Acordei com o sol às 8h. Fiquei ainda um pouco na preguiça enquanto sentia o cheiro da terra.
A escalada começou mais tarde do que o previsto.

Após uma caminhada a descer lá estavamos na base do Cantaro Magro. "5 comprimentos de corda e estamos lá." diz o Carlos como se fosse tudo muito simples.
Iriamos iniciar por subir um pouco até chegar à chaminé.
chaminé

Tudo correu bem até eu chegar ao meio da chaminé. Correu bem, mas não sem que eu me queixasse e fizesse vezes sem conta a pregunta irritante: "E agora, onde meto os pés e as mãos?"
Escalada ao Cantaro Magro 012

No meio da chaminé, a sensação de claustrofobia fez com que eu perdesse o controlo sobre o meu medo, sobre o meu corpo. Toda eu tremia. Os meus dentes batiam fortemente uns contra os outros.
Incialmente eu ainda consegui pensar e fui conseguindo o encontrar forma de seguir o meu caminho até ao topo. Mas na parte final senti-me sem força e incapaz. "És capaz" Iam-me encorajando os meus companheiros de aventura. Tentei mais uma vez, subir os ultimos 4 ou 5 metros. Tinha que usar a técnica K, ou seja, subir com as costas encostadas à parede, os pés à parede oposta. Escorreguei. Nesse momento deixei de acreditar que seria capaz, e implorei "Tirei-me daqui!" Toda eu tremia e chorava descontroladamente.
Escalada ao Cantaro Magro 019

Os meus colegas lá me conseguiram içar e eu decidi que nas minhas aventuras de escalada, não volto a colocar nenhuma Chaminé. Há coisas que não somos capazes de fazer mas que queremos tentar até conseguir e outras como esta que são experiências que não quero repetir. O Carlos costuma-me dizer: "Quando se tomares uma decisão, pensa se serás capaz de viver com ela para sempre" e foi nisto que pensei quando tomei esta decisão.

Continuamos o caminho. Faltavam 3 comprimentos de corda. E lá continuei eu com as minhas perguntas. "Não perguntes tanto, não te queixes tanto. Já só vamos acabar de noite. E ninguém trouxe lanternas." diz-me Carlos, zangado porque deixei cair a corda que iria fazer segurança ao João e ele teve descer um pouco para ir buscar a ponta. Fiquei furiosa comigo mesma.

No troço seguinte, e último, o vento tinha-se levantado e estava forte. O Carlos que ia sempre à frente, não conseguia ouvir os nossos "Mu"s e "Pi"s (para dar folga e esticar a corda respectivamente). Eu tinha que recolher o material de segurança que estava pelo caminho. Carlos sem ouvir as minhas indicações ia puxando a corda. Puxava, puxava e eu ia subindo sem saber muito bem como. A determinada altura ele puxou demasiado a corda e eu tive dificuldade de me soltar do mosquetão que segurava a minha corda e foi-me impossivel recolhe-lo. Consegui que João me ouvisse no meio de tanto vento que tinha que o recolher.

Quando cheguei ao cimo exausta, a primeira coisa que fiz foi aliviar a adrenalina e chorei. Estava já a ficar escuro. Passava das 20h. O Carlos diz-me: "Vê como é lindo visto daqui e ainda dizes que não queres voltar"
Escalada ao Cantaro Magro 025

Estavamos no topo do Cantaro Magro às 20h45. Ainda nos faltava meia hora para estarmos junto do carro e a visibilidade era quase nula. Começamos a descer.

A nossa aventura terminou para além do limite imposto pela visibilidade. Mas o cansaço que sentiamos no corpo era sem dúvida reconfortante, apesar de ter ficado com os joelhos todos mazelados.

E para a próxima, meu Amigo Carlos, nada de chaminés.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 7:27 da tarde 9 comments

sexta-feira, agosto 26, 2005

Até...

Lá vou eu de abalada para a Serra da Estrela... dormir tendo as estrelas e a lua como tecto.

Amanhã de manhã espera-me o Cântaro Magro... e a sua rocha

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 5:58 da tarde 6 comments

quarta-feira, agosto 24, 2005

Que queres saber concretamente?

"Como é ter 30 anos?" perguntou-me o Paco.

"Adoro!" Disse eu "Gostas de coisas de que gostam as pessoas de 20 e de coisas que gostam pessoas de 40. É uma idade fantástica na sua abrangência!". Sorri, afinal o Paco tem 29 anos, não está muito longe desta idade e na verdade não sei descrever o que é ter 30 anos, como não soube descrever o que é ter qualquer outra idade.

Ou será que naquele dia, naquele e não noutro qualquer, naquele em que fazemos 30 anos tudo muda nas nossas vidas?

Que quereria ele saber concretamente?

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 11:32 da tarde 6 comments

Dimensão dos Sentidos

Estava apenas a brincar com as palavras...

O problema em relação à saudade que tenho do Ícaro, é que estando cheia, do cheio do vazio, me sinto vazia.

Estou vazia com o cheio do vazio que é um vazio cheio de coisa nenhuma.

Os sentimentos não respondem a lógicas matemáticas, verbais, racionais e outras que tais...

As palavras são escassas para a Dimensão dos Sentidos.

Vazio do Vazio é cheio. Porquê?
Vazio do Vazio é vazio. Porquê?

Vazio do Vazio é o que é, o que será, o que se sente e o que se sentirá... o que cada um sentirá!

E na Dimensão dos Sentidos há espaço para tudo o que cada individuo per si, sente... e nada, nenhum sentido, sentimento, emoção, dor, lágrima... está incorrecto.

Na Dimensão dos Sentidos tudo é válido. E é isso que a torna tão bela.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 6:29 da tarde 3 comments

terça-feira, agosto 23, 2005

Vazia de Saudades

Hoje falei com o Ícaro.

Que bem que me soube.

Estava cheia de saudades.

"Estava cheia de saudades" não deixa de ser uma expressão curiosa... porque dizemos "cheio" ou "cheia" quando nos referimos a um sentimento que nos faz sentir vazios?

De hoje em diante vou dizer:

"Estava vazia de saudades!"

Faz muito mais sentido!

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 10:44 da tarde 7 comments

segunda-feira, agosto 22, 2005

Enfim pronto!

Hoje foi um dia duro!

O Tico e o Teco já estavam a entrar em ebulição.

Hoje concluí "O" documento. Não um documento qualquer mas "O" documento.

Foram 15 meses de suor e lágrimas (literalmente que esta sala é muito quente)! Noites mal dormidas, explosões contidas, outras nem por isso...

Férias só ao fim de 10 meses.

Hoje ficou pronto! Entregue!

Agora falta ver se tudo fica a funcionar como eu imaginei. Será que coloquei no papel tudo da forma que pensei? 250 vezes "n" testes e saberei.

Agora está tudo nas mãos dos meus Gaiatos.

Cheguei a casa às 22h30.

A minha cria exigia a minha atenção. "Quero fazer coisas muito importantes no contador!" que é como quem diz: "quero ver bichos no teu computador".

Lá vimos alguma bicharada antes de eu ir jantar. Ao fim de alguns minutos já tinha feitos todos os seus afazeres importantes e eu consegui ir jantar, depois de conseguir respirar fundo ar da minha casa.

A Inês adormeceu aqui ao meu lado a ver o canal panda. Está na hora de a ir por na sua caminha e de eu mesma desligar a luz e ter o merecido repouso da guerreira.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 11:34 da tarde 7 comments

domingo, agosto 21, 2005

Um Sábado dominado pelo Ar!

O meu Sábado foi sem dúvida diferente.

Após muito pensar, considerar, decidi aceitar o convite do Ahraht, da Vampiria e do Hewaz e lá fui apanhar ar, escalar, trepar.

Ficamos de nos encontrar na Piriquita às 9h. Depois de conversar um pouco era a hora de começar.

Fomos até à Pedra Amarela. Um pouco de rapel e lá estavamos.

No meu telefone iam chegando SMS que exigiam a minha atenção, mas tentei consiliar as duas situações sem stressar. Afinal estava ali para relaxar.

Depois de treparmos umas quantas vias e de os meus companheiros de aventura terem usado imensa paciencia das suas reservas, estava na hora de voltar.

Fomos mais uma vez à Piriquita, desta vez para deliciar um fantástico travesseiro.

Aos 3, deixo aqui o beijo grande de agradecimento pela experiência que me proporcionaram.

Cheguei a casa e a Inês tinha ido à festinha de anos de um amiguinho, o que me permitiu dormitar um pouco de recuperar forças para conseguir acompanhar a sua energia duracel.

Acordei a sentir um doce beijo no rosto e com a vozinha da Inês a dizer: "Acorda mamã, vamos ver o Lumpy!" - O último filme do Winnie the Pooh. Colocou o dvd no leitor e deitou-se ao meu lado esquerdo... o que ela gosta mais.

À noite, caiu sobre mim a saudade do Ícaro... um tontareco lindo, que é parte integrante da minha vida. Tanto que nem imagino a minha vida sem a sua amizade.

De uma forma egoísta, espero que as suas férias terminem depressa.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 12:33 da manhã 6 comments

quinta-feira, agosto 18, 2005

Indefinições :) :) :)

Ando cansada, com pouca paciência...

O meu mau feitio está a flor da pele, apesar de hoje ter sido apesar de tudo um dia muito bem disposto.

Eu e o meus "Rançosos" - os meus colegas com quem costumo ir almoçar e sobre os quais já foram aqui tecidos alguns elogios, brincamos dizendo que eu sou um ser híbrido.


mafalda


Hoje foi um desses dias.

Adoro-os.

Sem eles no meu dia a dia, a minha vida seria muito mais pobre.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 10:48 da tarde 9 comments

terça-feira, agosto 16, 2005

Um dia hilariante!

Que a Abelhinha raramente usa saltos já era sabido. O que ainda não se sabe é que a Abelhinha quando usa saltos os usa bem altos.

Também não é sabido que eu tenho o privilégio de todos os dias almoçar com o Top 5 dos Homens Mais Interessantes do Escritório... não com um, mas com os 5.

Hoje foi dia de saltos, ou melhor de cair deles.

Iamos todos na nossa tagarelice habitual, quando de um momento para o outro, em vez de estar a olhar para os seus fantásticos rostos estava a olhar para os seus fantásticos sapatos.

Sim, lá estava eu no chão, com um pé descalço e 5 pares de olhos incrédulos poisados em mim.

Desatei-me a rir, apesar do orgulho ferido...

Dividida entre o orgulho estilhaçado em 2339284848 cacos e rir-me desalmadamente do hilariante da questão... resolvi rir.

Quando me levantei, após muitas gargalhadas, estava o mais charmoso e igualmente mais tímido de todos com a minha mala na mão... tão ou mais humilhado do que eu...

"Tentaste agarrar-te a mim?" pergunta ele.

Não, não tentei. Nem tal coisa me ocorreu, para grande pena minha, sempre tinha tirado lasca ;) Também posso ser malandra de vez enquando não posso?

O resto da tarde foi desconcertante. Cada vez que olhava para um deles, ou eles para mim a gargalhada era inevitável.

Os saltos não são mesmo feitos para mim...

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 11:08 da tarde 12 comments

segunda-feira, agosto 15, 2005

Que forma de acabar o fim de semana

Bem, eu queria que os meu neurónios acordassem... mas não era preciso ser de uma forma tão... bruta.

Tocou o telefone, era o Artur - o pai da Inês.

"Temos que falar sobre a escola da Inês"

"Sim. Nos infantários que achei de confiança e a increvi não havia vaga."

"Pois, aqui ao pé de minha casa há. Tu conheces, é bom. Ela fica comigo e o assunto fica resolvido"

Fiquei muda. Procurei desesperadamente palavras

Num segundo fiz um flash back a toda a nossa vida.

Durante o primeiro ano de separação não ficou uma noite com a filha e agora quer ficar sempre com ela. Marca tardes com ela, diz-lhe que a vem buscar e falta, mas agora diz que se sente capaz de ficar com ela.

"É no bem dela que temos que pensar. E se ela fica melhor comigo do que contigo não vejo porque não" diz-me ele.

Ele é da opinião que a Inês fica melhor com ele do que comigo. Uma opinião é uma opinião e deve ser considerada... mas apeteceu-me bater-lhe.

"Por isso é que a semana passada estavas tão preocupado se eu não estaria a trabalhar demais ou se estaria a sofrer de amor? Era para ficar bem numa barra de tribunal?"

Depois da conversa sobre a Inês, vem a conversa do que é que é meu, do que é que é dele... bens, matéria, coisas, objectos...

Quando decidimos que sairia eu de casa, trouxe 2 coisas: a Inês e a nossa mala de roupa. Nem olhei para mais nada. Nem para aquilo que eram objectos meus de solteira. Coisas que já tinham feito parte de uma vida anterior minha. Pensei que a ele fariam mais falta porque eles eram parte integrante do conforto que contruímos naquela casa.

Hoje falou-se nessas coisas na mesma conversa em que se fala da nossa Inês. Chocou-me. Eu continuei sem pedir nada... apenas quero a Inês.

Apeteceu-me gritar com o Mundo, arrancar cada fio de cabelo, um por um, para que a dor fisica fosse maior. Senti-me invadida por uma enorme solidão, como se ninguém fosse capaz de entender a dor que sinto.
Fui para o quarto e chorei.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 9:43 da tarde 7 comments

Calor a mais...

Costumo dizer que tenho apenas 2 neurónios: o Tico e o Teco; e que funcionam em "modo alternado". Hoje nenhum deles está desperto... o que faz com que dentro do meu cranio esteja um enorme buraco negro e que se faça um tunel de vento se alguém soprar pelo meu ouvido.

Que calor! Dava mesmo jeito que o Tico ou o Teco acordassem.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 7:54 da tarde 2 comments

sábado, agosto 13, 2005

Que preguiça...

Finalmente o fim de semana e hoje foi um dia dedicado à preguiça, com a Inês ao meu lado a ver filmes e a tentar ficar frescas.

A Inês usufruir que se fartou da sua piscina em forma de abóbora e eu de uns banhitos de mangueira no quintal.

E um dia com tão pouco para contar foi um dia maravilhoso.

Sinto-me uma sortuda por ter dias assim.

preguiça
by Quino

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 8:51 da tarde 6 comments

quarta-feira, agosto 10, 2005

Histórias dos meus Amigos de 4 patas - O Pequenote

Hoje vi esta notícia na SIC:


Avestruzes morrem à fome e sede

Animais estavam numa exploração abandonada no Crato. Carcaças de avestruzes presumivelmente mortas à fome e à sede foram encontradas, numa exploração no Crato, já em avançado estado de decomposição.


Fiquei consternada! Como é possível... dantes eram cães e gatos que eram abandonados, agora as avestruzes.

Lembrei-me de um dos momentos mais arriscados da minha vida!

Há 6 anos a minha cadela teve filhotes. Tentei arranjar donos que os tratassem bem. Lá arranjei.
Ao final de 3 ou 4 dias uma vizinha de um dos novos donos de um dos meus cachorros avisou-me que ele estava a ser mal tratado. Estava num terreno nas traseiras da casa, preso a uma corrente de 50 cm e para ficar agressivo levava pancada de meia noite.

Passei-me e decidi que nessa mesma noite o ia buscar. A vizinha disse que o Sr. Maltratacães não o ia devolver, que ela já tinha tentado e ele disse logo que não.

"Não dá a bem, dá a mal!"
2 da manhã, escuro como breu, apavorada... espreito para dentro do quintal... além do meu pobre cão mais nenhum à vista.

"Sou eu pequenote... não faças barulho... vou-te buscar!" disse eu baixinho, com receio que o contentamento dele me denunciasse. Ele percebeu, permaneceu mudo.

Cheguei perto dele e tive dificuldade em ver o espaço. "Sorte. A tua coleira é fácil de abrir". Soltei-o e peguei-o ao colo. Ele premanecia imóvel e silêncioso.

Saímos dali depressa. Já no carro que tinha estacionado longe relaxei um pouco e esperei que as pernas parassem de tremer. O meu pequenote lambia-me a cara com gratidão.

No dia seguinte telefona-me a Sra Maltratacães muito chorosa: "Nem imagina o que me aconteceu! Roubaram-me o meu lindo! Não me arranja outro por favor?"

"Lamento, mas só há um! É para mim!"

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 11:12 da tarde 13 comments

A Estrela

"Mamã, está ali uma Estrela! É a Bisa!" , tal como expliquei aqui, a Inês associa as estrelas ao lugar onde está agora a Bisa.

"Está a dizer adeus ao Biso! Toma beijinhos Bisa!"

E desata a mandar beijinhos sem conta à Bisa, naquela estrela do Céu.

Temos saudades tuas Avó!

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 2:16 da manhã 13 comments

terça-feira, agosto 09, 2005

Pequenas Confidências

Não gosto de compras, excepto no IKEA.

Não arranjo as mãos nem os pés.

Não vou ao cabeleireiro desde Janeiro.

Não uso perfume.

Quando uso saltos perguntam-me se faço anos.

Cremes anti-rugas, hidratantes e afins, não há na minha casa de banho.

O meu ultimo lipgloss acabou há 1 ano e a base secou com a falta de uso.

Uso sempre protector solar ecrã total para proteger a minha pele demasiado branca

Quando compro roupa exprimento uma T-shirt e depois compro várias
iguais ou de cor diferente para não ter muito trabalho.

Escolho cervejas com nomes estranhos
(este estranho gosto devo ao Grande Amigo Ícaro, que ficou tristinho quando viu este post sem me referir às sua influência nesta minha confidência).

Escolho sempre o filme que ninguém vai ver.

Leio livros para chorar.

Adoro canela.

Não gosto de receber flores, prefiro Bonsais (não matamos lentamente
algo que é belo e permite-me lembrar sempre quem me ofereceu enquanto os trato).

Adoro sugar informação (mesmo quando fico zangada quando brincam com isso).

Adoro mimar os outros.


Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 1:53 da manhã 7 comments

domingo, agosto 07, 2005

Reconciliações com o Passado

Quando se abre a porta do tempo e se faz uma viagem ao passado como a que eu e o Afonso fizemos, corremos o risco de abrir gavetas cheias de recordações e mágoas mofentas, bolorentas do tempo que estiveram fechadas em algum lugar da nossa memória.

Foi muito agradável e comovente a minha conversa com o Afonso. Esclarecemos mal-entendidos que ocuparam as nossas lembranças metade das nossas vidas. Cortamos pontas soltas, resolvemos enigmas que permaneciam por soluccionar.

Será que dissemos Adeus? Será que nos vamos voltar a ver? Será que olharemos novamente nos olhos do outro depois de digerir 5 horas de conversa?

O Tempo o dirá.

Resta-me o consolo de pelo menos ter tido a oportunidade de falar abertamente sobre as feridas e espinhos que estavam dentro de nós.

Mesmo que seja o Adeus, ambos continuaremos o nosso caminho mais leves e soltos, e sem dúvida, de pazes feitas com o passado.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 5:58 da tarde 15 comments

sábado, agosto 06, 2005

"Hoje estava Calor, achei que era um sinal"

Ao longo de todos os meus posts tenho exposto despudoramente os meus sentimentos e emoções, mas nem sempre fui assim.

É preciso aprender a Amar, manifestar Amor, as Emoções... é preciso aprender a articular as palavras para que o ruído de uma não engula o silêncio do que queremos prenunciar.

Hoje conversei com o Afonso. Ligou-me. Se a nossa vida fosse um conto de fadas, estariamos juntos há 16 anos, há muito que teriamos perdido a conta aos meses e já nem existiriam dias como unidade de medida. Ele foi o meu primeiro namorado. O meu primeiro Amor. Mas a nossa vida não foi um conto de fadas, seria no máximo um romance trágico, típico de Nicholas Sparks onde os encontros, desencontros e mal entendidos são o fio condutor da história.

Nunca senti que ele me amava, nem como o Amor que se sente na adolescência, que em alguns casos muito especiais crescem e evoluem conosco para o resto das nossas vidas.

Nunca consegui manisfestar um Amor que julgava maior que o dele. Porque deveria? Pensava eu com a minha impertinência típica de 14 anos ou 16 anos. Para ficar a perder?

Era como se no Amor quem sentisse mais perdesse.

Hoje descobri que para não perder no Amor perdi o Amor.

Como se uma porta ao passado tivesse sido aberta, eu tivesse viajado até lá invisível e visse tudo com os meus olhos de agora.

As dúvidas, as incertezas, os medos que então tinha não eram apenas meus. Por cada vez que me senti em segundo lugar, Afonso também se sentiu; por cada aperto que tive no peito Afonso também teve.

Lembro-me da última vez que estivemos juntos. Fomos jantar e depois ele trouxe-me a casa. O tema da nossa conversa foi o Artur (o pai da Inês). Ao deixar-me na porta, Afonso diz-me que tudo o que outrora sentira por mim poderia renascer se nos continuassemos a encontrar. Fiquei sem resposta. Fez-me prometer que no dia em que casasse lhe dizia. Prometi, não cumpri e durante 5 anos não trocamos nem uma palavra.

Quando me separei, foi o colo dele que desejei.

Quebrei o meu silêncio e liguei para casa dos seus pais. A sua doce mãe, senhora adorável de olhar meigo e voz carinhosa diz-me, em tom baixo, depois de me receber com a voz aberta do reencontro: "O Afonso casou, regressou ontém de lua-de-mel". Fingi que aquilo que acabara de ouvir nada significava.

Falei com ele mais 2 ou 3 vezes para manter a aparência e afastei-me, resignando-me por ter chegado tarde.

De toda a história que tivemos em comum ficou a nostalgia insolúvel.

Hoje conversei com Afonso.
Despimos os trajes do Orgulho como quem já não tem nada a perder e exorcizamos o que está por dizer há 14 anos.

"Hoje esteve calor, achei que era um sinal" disse ele "Fala-me de ti! Quero saber o que foram os teus últimos 14 anos!"

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 4:25 da manhã 8 comments

quinta-feira, agosto 04, 2005

O quarto da Inês ficou pronto

Os dias têm sido de grande tensão.

Sinto-me perdida por não conseguir gerir um conjunto de emoções com as quais me tenho deparado ultimamente, tudo se confunde.

Escondo-me por trás de uma gargalhada e espero que tudo passe depressa.

O quarto da Inês ficou pronto.

Ela não estava em casa quando o acabamos. Estava com o pai e quando chegou pedimos que fosse buscar um livro ao seu quarto. Ela ficou imóvel a ver o seu renovado quarto.

A sua emoção estava escrita no brilho dos olhos. Agarrou-se às pernas a avó e não saiu mais de lá.

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 11:08 da tarde 7 comments

quarta-feira, agosto 03, 2005

Ouvi com os meus ouvidos de Mãe

No seu tom de voz sério e doce ele disse:

"Não como ovas. É infanticídio e isso enoja-me!"

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 10:12 da manhã 13 comments

Obrigada André

"Então minha querida, como estás? Muito calada, nem com essa roupa cor de laranja ainda te consegui ver hoje... que se passa?" Pergunta o André.

"Nem sei... é como se sentisse uma angústia que não é minha, como se fosse de alguém... e depois é o David!"

"Ah o David! Segue com o Plano B"

E a conversa desenrola-se à volta deste Ser que é o David e com o Plano B.

O Plano B pressupõe, na óptica do meu querido Amigo André, que em caso de sofrimento extremo por um amor se deve arranjar outro - o Plano B. Tudo muito bonito e fácil... desde que exista alguém que possa ser o Plano B.

"Não acredito!" seja por cordialidade ou não, soube bem ouvir.

"O teu mal é que vais espalhando o teu mel por muitas flores. És uma Abelhinha livre e vais mimando quem passa no teu caminho. Ele deveria preferir que o teu mel fosse só dele!"

"Tonto!" Disse eu.

"Sabes que mais? De hoje em diante não quero mais miminhos teus! A energia que gastavas para mim, gasta para o David. Quero-vos ver muito felizes!"

André,

Para ti meu querido Amigo, um Beijo enorme, quer queiras quer não.

Esse teu despreendimento de algo que sei que te faz bem só para me ver feliz comoveu-me. É por isso que gosto tanto de ti!

Beijos e queijos, o que mais gostares ou mais te estiver a apetecer!

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 1:11 da manhã 9 comments

terça-feira, agosto 02, 2005

Beijos

"Mamã, dá-me um beijinho...

(xxxxxuuuuuaaack!)

Tou Feliz!"

Que mais poderia eu querer ouvir?

Posted by Marília Pamies - Cake Designer at 11:36 da tarde 6 comments